sexta-feira, 20 de agosto de 2010

DIFICULDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DO KARATE-DO


Atualmente, o KUMITE significa para muitos Karate-Ka(s) a expressão máxima do Karate-Do. Porém, esta forma de pensamento se constituí em um erro, e muitos Mestres importantes de Karate-Do advertem para este fato, que é a perda do caráter fundamental do Karate-Do, devido a ansiedade por ganhar nas competições. O Karate-Do está perdendo conteúdos essenciais do Budo já que nossos esportes ocidentais refletem exatamente nossa sociedade materialista. O exercício das artes do Budo se dirigem ao interior buscando o aperfeiçoamento da personalidade. “O Karate-Do é um Caminho para a superação física, mental e do próprio Eu”. Esta concepção não pode ser levada a prática sem o Kata.

Por esta razão, os verdadeiros Mestres desta Arte Marcial seguem considerando o Kata como peça fundamental do Karate-Do, como aquela parte que manifesta o caráter real desta Arte Marcial.

Praticar o Kumite com o único objetivo de vencer aos demais em competições significa escolher o caminho de certa forma mais fácil e ignorar o que resulta ser mais difícil e valioso que é vencer-se a si mesmo.

Inclusive no Karate-Do moderno, o Kumite não deve substituir o Kata, o Mestre Nakayama, com muita propriedade, expressa isto da seguinte maneira: “Kata e Kumite representam as duas rodas de um carro”. Somente o equilíbrio entre KIHON (Técnicas básicas que se aprende como fundamento), KUMITE (combate) e KATA possibilitam a correta compreensão do Karate-Do, propriamente dito...

Porém, neste contexto não devemos simplificar as coisas: existem pessoas que consideram o Karate-Do que busca somente o êxito nas competições como um Karate “incompleto”; da mesma forma podemos afirmar que o Kata também pode sofrer as conseqüências do seu mau uso, ou da sua utilização em primeiro plano para vencer campeonatos. Neste caso também podemos observar um aperfeiçoamento ocidental com ênfase no rendimento externo, de maneira que a exibição de um Kata se reduz a perfeita apresentação de aspectos superficiais: se valoriza somente o aspecto estético da técnica, como por exemplo: “Se o pé esquerdo do Kokutsu Dachi se coloca exatamente a 90° do pé da frente” ou se “a posição dos pés ou das mãos está correta...” ou seja, se trata de apresentar um Kata como se fosse um exercício de ginástica difícil. É evidente que o aspecto externo deve ter sua importância, pois constitui-se em um dos requisitos importantes para uma boa performance do Kata, mas não o único. Até mesmo porque mesmo cumprindo com estes detalhes técnicos, a exibição de um Kata pode resultar vazia e sem vida.

Ao reduzir o Kata a uma prática puramente esportiva, ou seja, alcançar o domínio corporal até chegar a uma exibição artística, facilitamos a pontuação do Kata seguindo uma série de critérios, sobretudo para aquelas pessoas que nunca compreenderam o verdadeiro sentido dos Kata(s). Porém, desta maneira não é possível encontrar a essência do Kata: a cumplicidade da alma, a postura mental, a irradiação do ritmo, a segurança, a tranqüilidade e o espírito de luta... elementos que podem ser expressados por um Karate-Ka, ainda que lhe falte algum detalhe no aspecto técnico externo. Porém, é evidente que tudo isto não pode ser medido tão facilmente como os aspectos técnicos, por mais superficiais que sejam.

Nestes elementos estão a chave para a correta compreensão do Karate-Do, no entanto não como esporte, mas como caminho para a superação pessoal mediante a prática de uma Arte marcial (Budo) com todas suas características específicas que nem sempre estão relacionadas ao esporte.

Assim, o Kata é mais que a soma de uma série de técnicas encadeadas que se realizam da maneira mais perfeita possível. Algumas técnicas básicas constituem-se no fundamento para uma boa realização do kata. Porém, um bom Kata não é conseguido apenas com técnicas corretas. Para que não entendam mal, aqui vai outra comparação com o objetivo de esclarecer melhor: Imagine uma pessoa que saiba pronunciar claramente cada uma das palavras de um dicionário estrangeiro, este requisito será o suficiente para recitar um poema neste idioma de maneira que os ouvintes fiquem impressionados ou inclusive comovidos? Certamente não.

O mesmo ocorre com um Kata: as técnicas corretas se constituem em um requisito importante, mas é necessário muito mais que isso para que a exibição de um Kata possa impressionar ou comover o espectador.

Por tudo isso, se deve cuidar o aspecto espiritual do Karate-Do da mesma forma que seu aspecto físico.


*** Artigo extraído da Internet.Esta mensagem foi enviada por Denis Andretta.